O CINEMA DE ÖSTLUND. NA IMINÊNCIA DA DESTRUIÇÃO

O CINEMA DE ÖSTLUND. NA IMINÊNCIA DA DESTRUIÇÃO

O cinema de Ostlund é essa avalanche ética que vai caindo sobre todos nós e que não cessa no ecrã; a força intensiva com que nos afecta revela um cinema inteligente e sóbrio. Se das suas personagens exige acções, de nós exige o pensamento sobre elas. Todo este conteúdo é inserido numa forma visual geométrica, maximamente perfeccionista. Há mestria de cada vez que a posição da objectiva está sob o seu comando e é chamada a captar uma porção de mundo. Ver o post inteiro

VERÃO DANADO: O FILME QUE NOS TOCA A TODOS E NASCEU DA VONTADE DE UM JOVEM

VERÃO DANADO: O FILME QUE NOS TOCA A TODOS E NASCEU DA VONTADE DE UM JOVEM

Verão Danado  foi a primeira longa-metragem para que Pedro Cabeleira se atirou e resultou um bom mergulho. O filme mereceu uma menção especial do júri do conceituado festival de cinema de Locarno, antes de chegar a Portugal. Está em exibição em algumas cidades, nomeadamente em Lisboa (Nimas e El Corte Inglés) e Porto (Trindade e Arrábida); chegará a todo o território nacional através da plataforma de streaming de cinema independente e de autor Filmin. Ver o post inteiro

VERÃO DANADO: Uma viagem pelo limbo sensualista da noite lisboeta

VERÃO DANADO: Uma viagem pelo limbo sensualista da noite lisboeta

Todos os elementos do filme trabalham em gloriosa simbiose nesta sequência, tão rica em casual virtuosismo como em prazer sensual. O som apoia-se em gestos de aglutinação e amorfia sónica, tanto mergulhando o espetador na batida da sua eclética seleção musical como destacando uma falta de claridade que rebenta em silêncio e sugere uma rendição onírica. Ver o post inteiro

Verão Danado

Verão Danado

O argumentista e realizador, assina à sua primeira longa-metragem, uma das obras mais fascinantes do ano, um retrato do "aqui" e "agora" - mas sem grandes tiques de montagem pós-modernistas - nos antípodas de morangadas televisivas, portanto - e contando com um leque de personagens "janadas" que podiam ser os nossos amigos. Podíamos (podemos!) até ser nós, ali numa dessas noites loucas com direito a direta no Europa Sunrise. Ver o post inteiro

Um Ano de Filmin Portugal

Um Ano de Filmin Portugal

Em jeito de comemoração do primeiro aniversário do FILMIN, o Cinema 7ª Arte criou uma lista de 10 filmes que considera serem essenciais ver, disponíveis no catálogo, que reflectem o cinema de qualidade da Filmin. Ver o post inteiro

TOP 10 DE OUTUBRO EM FILMIN

TOP 10 DE OUTUBRO EM FILMIN

O mês do outubro foi também o mês do documentário em Lisboa, o Festival DocLisboa voltou a trazer à ribalta o documentário, o qual teve também a sua visibilidade em Filmin, com filmes por entre os mais vistos como José Cardoso Pires - Diário de Bordo de Manuel Mozos, realizador que que abriu o festival com a sua última obra "Ramiro" Ver o post inteiro

TOP 10 DE SETEMBRO EM FILMIN

TOP 10 DE SETEMBRO EM FILMIN

A Morte de Luís XIV lidera o TOP 10 do mês de Setembro, a última grande obra de Albert Serra chegou recentemente a FILMIN e foi logo para o número 1 dos mais vistos na nossa plataforma. Ver o post inteiro

Resenha Crítica: "Hotel" (2004)

Resenha Crítica: "Hotel" (2004)

Uma obra pontuada por elementos de drama e mistério, que a espaços exibe a sua faceta de terror, sempre com enorme contenção, algumas doses de secura e uma ambiguidade latente. Existe uma estranha sensação de perigo e uma atmosfera enigmática a envolver alguns dos episódios que decorrem no interior ou nas redondezas do hotel do título (...) Ver o post inteiro

EXCLUSIVOS FILMIN

EXCLUSIVOS FILMIN

Explora os títulos que FILMIN escolheu exclusivamente para os seus subscritores, desde premiados realizadores a grandes clássicos, documentários e filmes ensaio, títulos que só podes ver em FILMIN. Ver o post inteiro

Aurora, um marco injustiçado na história do Novo Cinema Romeno

Aurora, um marco injustiçado na história do Novo Cinema Romeno

A emergência do Novo Cinema Romeno é talvez o mais importante desenvolvimento no panorama cinematográfico europeu do século XXI. Mesmo quando expandimos o nosso olhar para uma escala internacional, somente o renascimento do cinema sul-coreano parece oferecer competição valorativa. No entanto, este movimento caracterizado por obras de extremo naturalismo, com generoso uso de planos sequência, ações prolongadas e impiedosa crítica social, tende a parecer um pouco obsoleto quando consideramos como o seu início coincidiu com os anos de hegemonia do realismo social nos grandes ecrãs europeus.  Ver o post inteiro

Prémio LUX 2017: Seleção Oficial

Prémio LUX 2017: Seleção Oficial

Já foi desvendada a Seleção Oficial que vai competir pelo Prémio LUX 2017, atribuído pelo Parlamento Europeu. Esta seleção foi revelada durante o 52ª Festival de Karlovy Vary, e são dez os filmes que vão competir pelo prémio, que comemora dez anos, e aposta numa variedade imprevisível de géneros de toda a Europa. Ver o post inteiro

Eros (2004) de Wong Kar-wai, Steven Soderbergh e Michelangelo Antonioni

Eros (2004) de Wong Kar-wai, Steven Soderbergh e Michelangelo Antonioni

É comum nestes projectos que a singularidade de cada autor envolvido prejudique a unidade da empresa, na medida em que os filmes se vêem obrigados a comunicar (de forma por vezes forçada) mesmo quando têm pouco a dizer uns aos outros: como as gentes que quando não têm o que dizer falam da atmosfera e do comer. Não é (totalmente) o caso, em Eros, onde as três curtas-metragens trabalham sobre uma ideia de cinema fundamental: o fora de campo. Ver o post inteiro

Resenha Crítica: "Bakemono no ko" (O Rapaz e o Monstro)

Resenha Crítica: "Bakemono no ko" (O Rapaz e o Monstro)

Estamos diante de mais uma demonstração da capacidade de Mamoru Hosoda para abordar e desenvolver as relações de amizade com enorme precisão, bem como os efeitos que estas provocam nos personagens principais, sempre com algum humor, aventura, romance e situações dramáticas à mistura, enquanto consegue que nos afeiçoemos aos protagonistas deste filme de animação. Ver o post inteiro

Os mais vistos de junho em Filmin

Os mais vistos de junho em Filmin

Junho é o mês do sol, banhos e sal. A leveza balnear trouxe aos espectadores de Filmin uma preferência clara por comédias, onirismo, romance, surrealismo e, como não podia deixar de ser, pelo cinema português. Vê quais os filmes mais vistos de junho em Filmin. Ver o post inteiro