Pedro Cabeleira
  1. Pedro Cabeleira

    Portugal · 1992

    1 título :separador disponível 5 prémios
    recebidos
Biografia

Pedro Cabeleira nasceu em 1992 e cresceu no Entroncamento, Ribatejo. Viveu, durante a infância, entre o mundo do futebol e outros sonhos e fantasias, cruzamento de coexistência entre heróis imaginários e personagens excêntricas. A ingenuidade emocional não se apagou; antes, ramificou-se num fascínio mais complexo pelo ser humano, por histórias e pela dimensão técnica do cinema. Os bastidores dos filmes que o afectavam, emocional e sensorialmente, tornaram-se, ao mesmo tempo, magnéticos. Durante este período de descoberta, Pedro teve a oportunidade de realizar duas curtas-metragens que o colocaram em contacto, pela primeira vez, com material fílmico. Momentos que se tornariam essenciais para experimentar e para ganhar noções técnicas e comunicacionais, acerca das possibilidades e perspectivas de trabalhar com os recursos limitados que se lhe eram impostos. Em 2010, decide conceder à arte e à imaginação a hipótese de lhe regular o destino, ao ingressar na licenciatura em Cinema na Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC), que terminaria no ano de 2013, na especialização de Realização. Ao longo do seu percurso académico trabalha em vários projectos que lhe dão experiência no trabalho de equipa e nas técnicas cinematográficas em diferentes áreas como montagem, imagem, realização ou produção. Estes processos tornar-se-iam basilares para aprofundar o fascínio que tinha pelo cinema e pelos seus processos de criação e desenvolvimento, em termos narrativos, artísticos, organizativos e técnicos. Esta curva de desenvolvimento e conhecimento foi sendo apreendida de forma pautada ao longo do curso, e através da qual ele ganharia conhecimento sobre os temas e métodos de trabalho que pretende abordar, que estética está mais próxima de si e quais as fórmulas a encontrar para explorar, na sua plenitude, o seu próprio cosmos cinematográfico. Enquanto está na ESTC, tem a oportunidade de trabalhar com uma nova vaga, emergente, de jovens actores, repletos de talento e energia, e com os quais compreende que a sua experiência académica foi, essencialmente, um terreno de partilhas e de contacto com pessoas com os mesmos interesses; ebulição de novas ideias, discursos e abordagens de uma nova geração de cineastas. Como projecto académico final, Pedro realiza a curta-metragem Estranhamento, onde trabalha ambiências peculiares, a partir de uma imagética onírica e hipnótica. O filme foi essencial para o seu desenvolvimento como cineasta, em termos de liderança e organização do elenco e da equipa, e no seu desenvolvimento no trabalho de realização. A experiência de desenvolver um filme ambicioso como o Estranhamento revelou-se importante para preparar para desafios de realização mais exigentes. Após estas experiências, Pedro inicia Verão Danado, a sua primeira longa-metragem; o seu projecto mais ambicioso como realizador, onde experimenta técnicas mais livres de improvisação e explora um tema mais próximo ao seu próprio contexto, trabalhando com mais de cem actores, com quem teve a oportunidade de se cruzar na escola e com uma equipa constituída unicamente por colegas dos seus tempos de escola. O filme encontra-se, agora, na fase de distribuição. Ao mesmo tempo, forma a produtora VIDEOLOTION, juntamente com colegas da Escola de Cinema. Foi, através desta estrutura, que produziu Verão Danado e na qual tem vindo a dar os primeiros grandes passos no mundo do cinema, não se restringindo ao mundo da realização, mas começando a ter um papel activo na produção de outros cineastas da sua geração, entre os quais Marta Ribeiro, com o filme crês ser, actualmente em produção, e João Eça, com o projecto Frágil, em fase de pós-produção, duas longas-metragens. Está de momento a desenvolver o seu novo projecto, Entroncamento e a arrancar com a pré-produção de uma série de novos projectos de jovens realizadores.

Prémios do seus filmes