7,9

Tangerine

· 84min.

Los Angeles, véspera de Natal: Sin-Dee Rella, sai da prisão furiosa à procura do seu namorado, e chulo, e da sua amante. Filmado com um iphone, foi uma grande surpresa do festival Sundance.
Indisponível no teu país

Sobre o filme

Véspera de Natal. Sin-Dee Rella, sai da prisão depois de estar encarcerado por vinte e oito dias. No seu primeiro momento de liberdade encontra-se com a sua melhor amiga Alexandra. Esta diz a Sin-Dee Rella que o seu namorado, e chulo, a anda a trair com uma rapariga branca. Furiosa, Sin-Dee Rella sai à procura dele e de Dinah, a sua amante. A sua demanda furiosa leva-as através de Los Angeles, num trajecto pelas várias sub-culturas da Cidade dos Anjos.
Um filme de Sean Baker, filmado com um iphone que apanhou de surpresa o festival de Sundance pela sua irreverência e novidade.

Realização e elenco

Realização:
Sean Baker

Prémios e nomeações

Áudio e legendas

Versão original com legendas
Áudio Inglês • Legendas Português

Mais informação

Géneros:
Drama, Acção
Nacionalidade:
Estados Unidos
Estreia no cinema:
30-06-2016

Um momento mágico em que mundo e submundo se tocam, a mostrar que a espécie humana é uma só. Fogo e paixão em personagens únicas, porque cheias da empatia e tolerância que hoje nos faltam. Uma celebração de paciência e fé nessa coisa chamada Humanidade.

8

"Tangerine review – tenderness amid the artificiality of LA This week’s big release, Steve Jobs, opens with black-and-white footage of science fiction writer Arthur C Clarke eerily predicting a future in which compact personal computers are an integral part of our everyday lives. Danny Boyle’s film could equally well have ended with scenes from Sean Baker’s Tangerine, a vibrantly colourful feature shot entirely on a modified iPhone 5s. It’s not the first phone-footage film (forerunners include Olive, shot on a Nokia N8 in 2011), but it’s certainly the best looking, using prototype anamorphic lens adapters to capture gorgeous widescreen vistas while shooting on the fly in the streets, burger bars and doughnut joints of LA. Fired by zesty performances that crackle and burn with energy, Tangerine is a bittersweet affair underpinned by a winning sense of empathy and affection. Amid the rank artificiality of LA, there is real tenderness and between these characters a camaraderie that takes the harsher edges off their often bleak circumstances. Rodriguez and Taylor are a terrific double act, their on-screen chemistry providing both laugh-out-loud comedy and moving melancholia. Baker brings the same nonjudgmental approach that characterised his Independent Spirit awards prize-winner Starlet, while an in-your-face soundtrack pumps up the volume to boisterous effect."

Mark Kermode de The Guardian