Obsessão
Obsessão

Obsessão

Ossessione

Áudio e legendas

Versão original com legendas

  • Áudio Italiano
  • Legendas Português
realização

Luchino Visconti

Nacionalidade

Itália

Ano de produção

1943

Sobre o filme

Baseado no romance "O Carteiro Toca Sempre Duas Vezes", de James Cain, Obsessão transcende os temas do assassínio, da obsessão e da traição para introduzir um olhar fascinante sobre Itália durante a II Guerra Mundial. Gino, um vagabundo encantador, chega a uma estalagem rural à procura de trabalho. O dono da estalagem, um homem rude e grosseiro, dá-lhe algo para fazer, mas é a jovem esposa do proprietário, Giovanna, que faz com que queira ficar. Tomados por uma forte atração, Gino e Giovanna tornam-se amantes e, prontamente planeiam eliminar o marido. Após alcançarem o seu objetivo num acidente encenado, tornam-se oficialmente um casal, mas estão vinculados pelo pesado segredo que sobre eles paira. Porém, a polícia prossegue com as suas investigações. Giovanna e Gino fogem, mas é tarde demais.

Realização e elenco

Foto de perfil por defeito de um utilizador que não fez login
Os comentários depreciativos e os spoilers serão moderados. Se tens alguma queixa escreve-nos para ola@filmin.pt
  • João Araújo

    de À Pala de Walsh

    Um romance como O Carteiro Toca Sempre Duas Vezes pode não parecer o mais adequado para o que será um dos primeiros exemplos do neo-realismo italiano. Contudo, Visconti utiliza a obra para encontrar o esquema que lhe permite delinear o argumento, e aproximar-se de uma narrativa noir, para depois dedicar-se ao que realmente lhe interessa. Se Ossessione (Obsessão, 1943) pode ser considerado um protótipo do neo-realismo, isso deve-se ao retrato fiel de uma pobreza desoladora e ao investimento em personagens no fim da corda, sem nada a perder, mas sem muito a ganhar.

    9.0 9.0
  • Ricardo Vieira Lisboa

    de À Pala de Walsh

    A história de um homem sem futuro que encontra na caridade de um dono de restaurantes e na bela mulher deste um pouso não é nova. Aliás, é esse o ponto de partida da novela (que ficou famosa) de James M. Cain, The Postman Always Rings Twice de 1934. Ficou famosa tanto ou mais porque causa das várias adaptações ao cinema que veio tendo ao longo dos anos. A primeira das quais foi pela mão de Luchino Visconti que, por não ter os direitos da obra, chamou ao seu filme simplesmente Ossessione, mas logo depois Hollywood (já com os direitos) fez The Postman Always Rings Twice (O Destino Bate à Porta, 1946) com Lana Turner e John Garfield. Anos depois fez-se um remake caliente com Jack Nicholson e Jessica Lange, The Postman Always Rings Twice (O Carteiro Toca Sempre Duas Vezes, 1981) e recentemente o realizador alemão Christian Petzold regressou ao mesmo tema, com Jerichow (2008). Talvez a melhor adaptação seja mesmo a primeira, já que Visconti ao realizar um belíssimo filme, inaugurou também o neo-realismo. Para Visconti, o que interessa, mais que a dita obsessão sexual, é a culpa e a forma como um mendigo errante lida com o ficar preso a uma mulher e a um lugar. Por oposição aos americanos, que se interessavam pela paixão mestiça de ódio e morte (de dependência e engano) no caso do original e no remake era o desejo sexual (a luxúria) que liderava as contas (e para o alemão o que mais interessava era como podia sobreviver a amizade sob o jugo das dívidas. Como diz o colega João Araújo, “Ossessione parece dá conta da complexidade das relações humanas, da recusa em aceitar uma visão simples das possibilidades da vida, e de como as imagens podem ser importantes para dar espaço a sentimentos subterrâneos e a tumultos interiores, iluminando essas diferentes possibilidades.”

    8.6 8.6