O Sol do Marmeleiro
O Sol do Marmeleiro
O Sol do Marmeleiro

O Sol do Marmeleiro

El Sol del Membrillo

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português

realização

Víctor Erice

Nacionalidade

Espanha

Ano de produção

1992

Género

Drama

Sobre o filme

Um dos grandes filmes que o cinema dos anos 90 nos deu. Víctor Erice, acompanha o pintor Antonio Lopez ao longo do processo de concepção de um quadro, partindo daí para uma reflexão não só sobre a pintura e o cinema, mas essencialmente sobre a sua relação com as coisas, com a natureza e os homens. Uma obra prima, absolutamente indispensável, do maior cineasta espanhol contemporâneo.

O meu estado de espírito...

Realização e elenco

Títulos parecidos

Como avalias este filme?

No comments

9.5

"Apetece estender o braço e colher o fruto da árvore. A árvore é o cinema e o fruto é o tempo. O cinema produz o seu tempo como a árvore os seus frutos. A própria câmara, fixa no tripé, repousando sobre o mundo e apontando a ele a sua “mira contemplativa”, se parece com uma árvore. Tudo em El sol del membrillo nos faz circular entre o tempo da vida e o tempo do cinema. A terceira longa-metragem de Erice num período de 30 anos é uma ficção documental sobre o processo criativo de um pintor, Antonio López, em sereníssimo frente-a-frente com o seu modelo, um pequeno e frágil marmeleiro. Mas este duo, como descobrimos no fim, é um trio, já que Erice decide tornar presente ao espectador a câmara, montada no tripé que a fixa, imóvel, ao solo; ou seja, faz da sua câmara modelo do filme, como o marmeleiro o é para o pintor. É o próprio Erice que assume, em entrevista publicada no booklet do DVD português, a presença decisiva da câmara no seu filme: “Impressiona-me muito a capacidade predatória que a câmara possui, especialmente se a compararmos com os utensílios, com a mão e o olho do pintor. (…) É curioso: o cinema sempre se apresentou debaixo de uma imagem positiva, juvenil, luminosa… e a mim, às vezes, me parece uma invenção da decadência, que se mostra especialmente sensível para captar tudo o que se desvanece, inclusive o mais fugitivo que existe: o tempo”. Nesta nudez fundamental entre os tempos e os corpos da arte e da vida Erice oferece-nos o fruto da existência e não há como resistirmos à tentação de lhe darmos uma trinca. El sol del membrillo permite-nos saborear lentamente o indefinível que é isto tudo que chamamos “vida”. Nada mais belo, nada mais comovente. O tempo, digo. Este tempo, digo ainda melhor."

Luís Mendonça de À Pala de Walsh