8,7

José e Pilar

· 129min.

José e Pilar revela um Saramago desconhecido, desfaz ideias feitas e prova que génio e simplicidade são compatíveis...
Indisponível no teu país

Sobre o filme

Baseado no dia-a-dia do casal em Lanzarote e Lisboa, na sua casa e em viagens de trabalho por todo o mundo, "José e Pilar" é um retrato surpreendente de um autor durante o seu processo de criação e da relação de um casal empenhado em mudar o mundo – ou, pelo menos, em torná-lo melhor. "José e Pilar" revela um Saramago desconhecido, desfaz ideias feitas e prova que o génio e a simplicidade são compatíveis. "José e Pilar" é um olhar sobre a vida de um dos grandes criadores do século XX e a demonstração de que, como diz Saramago, “tudo pode ser contado doutra maneira”.

Realização e elenco

Realização:
Miguel Gonçalves Mendes

Prémios e nomeações

Áudio e legendas

Versão Portuguesa
Áudio Português

Mais informação

Géneros:
Documentário, Biopic
Nacionalidades:
Portugal, Espanha, Brasil
Estreia no cinema:
18-11-2010

Títulos parecidos

A certeza da iminência da morte torna-se estranhamente reconfortante, Talvez por não interessar.

Serve o documentário para que possamos viver os dias com José e com Pilar. Claramente o amor da vida um do outro. Tornamo-nos espetadores desse amor e do que nasce dele, Obras e ações que circulam em torno da urgência do que é estar vivo e da importância tamanha deste autor na História. Nasce ainda uma sensação boa de que somos próximos de Saramago ao passarmos tanto tempo com ele em sua casa, sentado à secretária ou em conversas com a Pilar.

Se algum dia alguém duvidou de que a presença de Pilar tenha mudado Saramago, aqui torna-se óbvio de que no mínimo o permitiu ser quem ele deveria ser na última fase da vida dele. A mais feliz e mais cheia.

É a Pilar que temos todos que agradecer. Ela que o foi relembrando da fundamental presença de Saramago no mundo.

8

"La imágenes de "José y Pilar" están inevitablemente recorridas por la muerte pero, sobre todo, están cargadas de trascendencia: porque de Saramago queda la palabra, verdadera protagonista de un docuemntal que es un regalo para los incondicionales del escritor. La palabra dicha y la palabra escrita; la palabra pública y (he aquí el gran hallazgo es Miguel Gonçalves), también la palbra privada."

José Álvarez Cedena de Cahiers du Cinema

8

"La existencia misma de esta película parece un abono para la tesis. Y sin embargo el trabajo de Gonçalves se configura como un documento apasionante, excepcional, con el que, de un modo seguramente impudoroso, este crítico se encandiló. Perdón por verla, perdón por disfrutarla, maestro. "

Javier Ocaña de El País