Histórias que Contamos

Histórias que Contamos

Stories We Tell

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português

  • Áudio Original
  • Legendas Português
realizador

Sarah Polley

Nacionalidade

Canadá

Ano de produção

2012

Sobre o filme

Sarah Polley, argumentista e realizadora nomeada para Oscar, descobre que a verdade depende de quem a conta. Polley é tanto cineasta quanto detective, à medida que investiga os segredos guardados por uma família de contadores de histórias. Ela entrevista e interroga animadamente um conjunto de personagens de fiabilidade variável, obtendo respostas refrescantemente honestas às mesmas questões mas, ainda assim, contraditórias. Enquanto cada um relata a sua versão da mitologia de família, as recordações actuais transformam-se em vislumbres pontuados de nostalgia da sua mãe, que partiu demasiado cedo, deixando um rasto de questões por responder. Polley decifra os paradoxos a fim de revelar a essência familiar: sempre complicada, calorosamente confusa e ferozmente afectuosa.
“Histórias que Contamos” explora a natureza elusiva da verdade e da memória mas, no seu essencial, é um filme profundamente pessoal sobre a forma como as nossas narrativas nos formam e definem enquanto indíviduos e famílias, tudo interligado para pintar um quadro profundo, divertido e comovente, da grande história humana.

M12

Prémios
O meu estado de espírito...

Realização e elenco

Foto de perfil por defeito de um utilizador que não fez login
Os comentários depreciativos e os spoilers serão moderados. Se tens alguma queixa escreve-nos para ola@filmin.pt
  • Oliver Lyttelton

    de Indiewire

    It’s a film that tickles both the brain and the heart, and by some distance Polley’s most consistent, and best, work as a director to date.

    9.5 9.5
  • Kevin Jagernauth

    de The Playlist

    a tremendous documentary that also plays with the very idea of storytelling itself, and the fictions that sometimes sustain relationships.

    9.5 9.5
  • Richard Corliss

    de The Times

    The probing, emotionally devastating documentary that was, for this critic and many others, the revelation of the first week of the Venice Film Festival.

    9.0 9.0
  • Germain Lussier

    de Slash Film

    It floored me with its honesty, incredibly inventive nature and ability to challenge the audience by working on multiple levels at multiple times. You’ve never seen anything like it.

    9.0 9.0