Ciúme (2013)
Ciúme (2013)

Ciúme (2013)

La Jalousie

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português

  • Áudio Original
  • Legendas Português
realização

Philippe Garrel

Nacionalidade

França

Ano de produção

2013

Géneros

Drama, Romance

Estreia no cinema

31-07-2014

Bilheteira

10.790,43 €

Espetadores

2.620

Sobre o filme

Louis (Louis Garrel) vive com Claudia (Anna Mouglalis) num estúdio modesto e minúsculo. Foi por ela que deixou Clothilde (Rebecca Convenant), a mãe da sua filha, Charlotte. Tanto Louis como Claudia são atores em dificuldade. Ele ainda vai conseguindo alguns papéis; ela, outrora uma estrela em ascensão, nunca mais recebeu ofertas. Louis, que acredita no talento dela, tenta constantemente encontrar-lhe trabalhos, mas em vão. Claudia receia que ele a deixe, tal como fez com Clothilde. Mas um dia, recebe uma proposta sedutora. Agora, é Louis quem tem medo de perder Claudia… No meio de toda esta trama de encontros, desencontros, paixão, medo e ciúme, a pequena Charlotte tenta dar sentido ao que a rodeia. Um drama familiar do premiado realizador francês Philippe Garrel ("Liberté, la Nuit", "Os Amantes Regulares", "Inocência Selvagem"). O argumento – que escreveu em parceria com Caroline Deruas (a companheira), Arlette Langmann e Marc Cholodenko – tem contornos autobiográficos, já que se inspira num caso extraconjugal do pai. O papel do pai é desempenhado pelo filho do cineasta, Louis Garrel. A filha, Esther Garrel, também integra o elenco. Filmado a preto e branco, com música de Jean-Louis Aubert, "Ciúme" foi apresentado em competição no 70.º Festival Internacional de Cinema de Veneza.

Realização e elenco

Títulos parecidos

Como avalias este filme?

claudiacapelaferreira

La jalousie (2013), de Philippe Garrel, presta culto à tragédia silenciosa, que é forma atípica de se fazer representar, especialmente se esta incidir sobre as relações familiares. Conta-se aqui a história da ausência, do lugar de destaque e decalque firmado nos que ficam e não resistem, naturalmente, a responder a esse lugar vago à mesa. Não há discussões, gritos, expansivas demonstrações romantizadas do histerismo sentimental. O que há é sobretudo um estado de contemplação, morno, do ciúme, daquilo que, tendo sido reprimido ou deixado no passado, acentua as ações do presente. Ou, enfim, do eterno lugar do preterido, da constante afirmação do nosso estado de impermanência. De forma mais totalizante, é percetível a sórdida inteireza efémera da vida, à qual também, à revelia das nossas vontades mais conscientes, os laços familares tendem a submeter-se. [...]
https://asfloresdelaura.blogs.sapo.pt/

19 Junho 2018