A Paixão de Joana d'Arc
A Paixão de Joana d'Arc

A Paixão de Joana d'Arc

La Passion de Jeanne D'Arc

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português

Nacionalidade

França

Ano de produção

1928

Sobre o filme

Um clássico do cinema mudo francês, o filme conta a história de Joana d'Arc, a guerreira e heroína do século XV. Julgada por afirmar que falou diretamente com Deus, Joana d'Arc é submetida a tratamentos desumanos nas mãos da igreja. A sentença à morte e a brutal execução elevou a heroína a estatuto de mártir. O filme de Carl Theodor Dreyer foi o primeiro produzido sobre Joana D'Arc, e foi baseado em documentos históricos do julgamentos, contanto com uma interpretação ímpar de Renée Jeanne Falconetti. 

realização

Carl Theodor Dreyer

Títulos parecidos

Como avalias este filme?

No comments

9.5

"Eis um monumento ou, melhor dizendo, eis vários monumentos. Cada plano toca o sagrado como nenhuma outra obra na história do cinema. Começar por onde, portanto? Comece-se por uma ideia: a de que este é um filme-mártir. Foi realizado em França pelo realizador dinamarquês Carl Theodor Dreyer. Sofreu várias vicissitudes de produção que redundaram na opção pela rodagem em mudo – quando já havia a possibilidade, ainda que algo aventureira, do som – e pela escolha de uma actriz desconhecida, Renée Maria Falconetti – isto quando estiveram em cima da mesa nomes como os das actrizes Marie Bell e Lilian Gish para interpretar a santa guerreira, mártir de uma nação. E como é que o martírio passou de assunto no filme para assunto do filme? La passion de Jeanne D’Arc foi censurado, mutilado, destruído (em incêndios que consumiram dois dos negativos do filme). A obra que conhecemos hoje parte de um restauro elaborado sobre um negativo encontrado num asilo psiquiátrico na Dinamarca em 1981. Ressurgido, o filme voltou a acender-se nos grandes ecrãs e a maravilhar-nos com o que nele tem lugar: nada mais nada menos que um verdadeiro milagre cinematográfico. Acrescente-se então à ideia de filme-mártir a ideia, que importa mais, de filme-mito. Filmado com um orçamento avultado, La passion de Jeanne D’Arc é, contudo, um filme de poucos elementos, exercício de despojamento caro à economia estilística de Dreyer. Um “documentário de rostos”, chamou-lhe André Bazin. Foi neles, nestas faces impossíveis (de Facolnetti, mas também de Antonin Artaud e Michel Simon, só para citar dois outros actores míticos que integram este elenco) que o cineasta dinamarquês, auxiliado nomeadamente por Rudolph Maté na fotografia e pelo trabalho cenográfico de Herman Warm [Das Cabinet des Dr. Caligari (O Gabinete do Dr. Caligari, 1920)], encontrou o espaço principal para o drama. Aqui tudo nasce nos olhos, na boca, nas lágrimas e nos gritos mudos de desespero desta actriz que, igualmente mítica, apareceu e desapareceu, como a sua personagem que, ardendo na fogueira, acedeu à vida eterna, à santidade. Este é um filme-mito também porque nunca mais se filmou assim – o mais próximo que temos hoje deste gesto de enquadrar o rosto e encontrar nele o lugar, a escala, do divino é Pedro Costa. Portanto, sim: esta é uma obra-prima insuperável. Daquelas para se ver e fazer ver em silêncio e em perfeito estado de estupefacção."

Luís Mendonça de À Pala de Walsh