7,8

Um Pombo Pousou num Ramo a Reflectir na Existência

· 96min.

O drama, a hipocrisia e o desespero humano tratado de uma perspectiva audaz com um acutilante sentido de humor e uma extraordinária capacidade criativa.
Indisponível no teu país

Sobre o filme

O drama, a hipocrisia e o desespero humano tratado de uma perspectiva audaz com um acutilante sentido de humor e uma extraordinária capacidade criativa.
Uma comédia negra sobre o peso da existência, que completa a "Trilogia dos Vivos", iniciada em 2000 com o filme "Canções do Segundo Andar" e continuada em 2007 com "Tu Que Vives". Estreado na 71.ª edição do Festival de Cinema de Veneza, "Um Pombo Pousou num Ramo a Reflectir na Existência" foi galardoado com o Leão de Ouro.

Prémios e nomeações

Áudio e legendas

Versão original com legendas
Áudio Original • Legendas Português

Mais informação

Título original:
En duva satt på en gren och funderade på tillvaron
Género:
Comédia
Nacionalidade:
Suécia
Estreia no cinema:
25-06-2015

Títulos parecidos

Sem avaliações

10

"“A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence” introduces three dozen more brilliantly absurd vignettes (...) finds the Swedish master of comic absurdity feeling downright generous, perched at a comfortable enough distance from this coterie of sad sacks and lonelyhearts to recognize the humor in such painful subjects as mortality, aging, unpaid debts and unrequited love."

Peter Debruge de Variety

10

"Andersson completa su trilogía existencial con una cinta tan divertida como desesperada; absurda hasta la más brutal coherencia."

Luis Martínez de El Mundo

10

""A Pigeon Sat on a Branch Reflecting on Existence" brings Roy Andersson into the company of Beckett and TS Eliot, and captures more fully than perhaps any film we’ll see for the next eight years the awful, glorious absurdity of being a human."

Jessica Kiang de The Playlist

9

"Como descrever um filme que é sobre nada mas tem tudo o necessário para ser uma obra-prima? É uma tarefa ingrata, quiçá mesmo impossível, mas esta é a oferenda que o mestre do cinema sueco contemporâneo, Roy Andersson, ofereceu à critica em Veneza com "

Fernando Vasquez de C7nema