8,7

Sono de Inverno

· 196min.

Vencedor da Palma de Ouro, Sono de Inverno, é uma obra profundamente filosófica que abraça o cinema de Bergman, sobre conflitos entre um senhorio e uma família em uma remota vila turca.
Indisponível no teu país

Sobre o filme

Aydin, um actor reformado, gere um pequeno hotel na Anatólia Central com a jovem esposa Nihal, de quem se tem afastado emocionalmente, e com a irmã Necla, que ainda se encontra a recuperar de um divórcio recente. No Inverno, quando a neve começa a cobrir a pouco e pouco a estepe, o hotel torna-se no refúgio de todos eles mas também no teatro dos seus próprios conflitos…

Prémios e nomeações

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português
Áudio Turco

Mais informação

Título original:
Winter Sleep (Kis Uykusu)
Género:
Drama
Nacionalidade:
Turquia
Estreia no cinema:
08-01-2015

Primeiro Bergman, todo o Bergman, depois o Tarkovski de "O sacrifício" (1986), com o director de fotografia de Bergman, Sven Nykvist. Eis as principais marcas de "Sono de inverno" de Bilge Ceylan. Um filme onde os conflitos vão crescendo até atingirem o cume com a neve, com o frio do inverno. Sob o signo da solidão.

(Editado)
10

"Sono de Inverno é denso, carregado até o plano final – que mostra o inverno em toda a sua plenitude, até então ocultada pelas lentes sábias do diretor e roteirista Nuri Bilge Ceylan. "

Karam de Plano Crítico

10

"La minuciosa mirada de Bilge Ceylan al alma de sus personajes tiene, además, la tenacidad de contemplar encrucijadas morales entre la dignidad, el dinero, la dependencia, la generosidad y lo ambiguo de la culpa y la compasión. Es una obra maestra."

E. Rodríguez Marchante de ABC

10

"Nuri Bilge Ceylan is at the peak of his powers with Winter Sleep, a richly engrossing and ravishingly beautiful magnum opus that surely qualifies as the least boring 196-minute movie ever made."

Justin Chang de Variety

10

"Inmensa (...) Bellísima en su tratamiento de la luz y del sonido, 'Winter sleep' es una obra mayor que, como lo sublime, apunta a la eternidad y a la infinitud."

Javier Ocaña de El País

9

"Una precisa, intensa e inmisericorde lección del cine (...) Corta, duele y, pese a ello, entusiasma"

Luis Martínez de El Mundo