Snowpiercer – O Expresso do Amanhã
Snowpiercer – O Expresso do Amanhã

Snowpiercer – O Expresso do Amanhã

Snowpiercer

Áudio e legendas

Versão original com legendas

  • Áudio Original
  • Legendas Português
realização

Joon-ho Bong

Ano de produção

2013

Estreia no cinema

27-04-2014

Sobre o filme

Depois de uma tentativa falhada de combater o aquecimento global, a Terra entra em mais uma Idade do Gelo. Os poucos que sobrevivem conseguem-no porque embarcam num gigantesco comboio, o Snowpiercer. Este é dotado de uma locomotiva de movimento perpétuo e nunca pára de percorrer os 438 mil quilómetros de um circuito ferroviário que atravessa todos os continentes.
As elites viajam nas carruagens da frente, com todas as mordomias e privilégios, enquanto os mais pobres penam na cauda do comboio. Existe também um ditador, Wilford, em nome do qual é feita propaganda destinada a manter uma rigorosa ordem. Mas há uma grande inssurreição iminente...
O primeiro filme ocidental de Bong Joon-ho ("Mother" e "The Host") baseado numa banda desenhada francesa, leva a clássica pirâmide de classes do capitalismo para dentro de uma locomotiva condenada ao moto perpétuo.
Um filme sobre revoltas e revoluções onde a ação, mas sobretudo a sátira têm um papel fundamental. Um cast internacional para um dos mais interessantes filmes pós-apocalípticos dos últimos anos.

Realização e elenco

Títulos parecidos

Como avalias este filme?

No comments

9.0

"An enormously ambitious, visually stunning and richly satisfying futuristic epic from the gifted Korean genre director Bong Joon-ho."

Scott Foundas de Variety

8.0

"Bong Joon-ho consigue momentos inquietantes, de gran espectacularidad, impropios del género, con toques dramáticos abrumadores y otros de comedia negra. Entretenido reflejo de cómo somos –de cómo seremos– si no lo remediamos."

Mariló García de Cinemanía

7.5

"Unapologetically long and messy, Snowpiercer offers an unhinged ride that's worth the investment for its mixture of batty personalities, consistently impressive visuals and mad swipes at heavy symbolism jam-packed together."

Eric Kohn de Indiewire