Que Horas Ela Volta
Que Horas Ela Volta

Que Horas Ela Volta

Áudio e legendas

Versão Portuguesa

realização

Anna Muylaert

Nacionalidade

Brasil

Ano de produção

2015

Género

Drama

Estreia no cinema

03-12-2015

Sobre o filme

Val é o tipo de empregada interna que leva o seu trabalho muito a sério. Trabalha de manhã à noite ao serviço dos seus patrões abastados de São Paulo, cuidando também com amor do filho adolescente, que criou desde bebé. Tudo e todos estão no lugar certo nesta casa elegante até ao dia em que Jessica, a filha ambiciosa e inteligente de Val, regressa da cidade natal para fazer os exames de entrada na universidade.
Vencedor de prémios em Sundance e Berlim, este filme sensível e delicado, tem uma base íntima de um indiscutível alcance social. Uma comédia trágica carismática.

Realização e elenco

Como avalias este filme?

9.0

"Una segunda madre habla con inteligencia y sensibilidad de algo que no ha perdido vigencia desde el comienzo de la humanidad llamado lucha de clases, por mucho que los que controlan el tinglado aseguren que es algo que pertenece al pasado, superado mediante el progreso, la civilización un mundo más justo y falacias similares."

El Pais de El País

8.5

"El film tiene las maneras de una comedia costumbrista fresca y divertida, pero la ligereza es aparente. Muylaert rompe con la visión única y romántica de la relación madre e hijo y, con recursos como el intercambio de roles, demuestra que un escenario injusto puede condicionar la relación más pura."

Desirée de Fez de Fotogramas

8.5

"[The film] dissects with both chilling precision and humor such matters as class differences, real mothers vs. caretakers and whether privilege and one's own station are things that can be questioned or changed."

Boyd Van Hoeij de Hollywood Reporter

8.0

"The idea of a maid's story brings with it notions of drudgery and gritty social realism, but while Anya Muylaert's engaging drama doesn't shy away from the realities of life as a home help in Brazil, she also concentrates on the upbeat humanity of those involved and suggests that change may be coming with the next generation."

Amber Wilkinson de Eye for Film