Gatos
Gatos

Gatos

Kedi

Áudio e legendas

Versão original com legendas

realização

Ceyda Torun

Nacionalidades

Turquia, Estados Unidos

Ano de produção

2016

Estreia no cinema

25-01-2018

Sobre o filme

Centenas de milhares de gatos vagueiam livremente pela metrópole de Istambul. Há milhares de anos que entram e saem das vidas das pessoas, tendo-se tornado numa parte fundamental das comunidades que compõem a riqueza desta cidade. Sem qualquer dono, os gatos de Istambul vivem entre dois mundos, sem serem selvagens nem domesticados — e trazem alegria e propósito às pessoas que escolhem adoptar. Os críticos e os gatos da internet estão de acordo – este documentário encontra uma forma encantadora de chegar aos nossos lares e aos nossos corações, sendo impossível não nos apaixonarmos pelos pequenos felídeos de Istambul.

Realização e elenco

Foto de perfil por defeito de um utilizador que não fez login
Os comentários depreciativos e os spoilers serão moderados. Se tens alguma queixa escreve-nos para ola@filmin.pt
  • Foto de perfil de mimififi

    mimififi

    Beautiful city beautiful people and beautiful cats! LOVED

    8 8 1 mês atrás
  • Claudio Azevedo

    de Cinema 7ª Arte

    «GATOS» – A MISTERIOSA LEVEZA DO SER FELINO CLAUDIO AZEVEDO30 DE JANEIRO DE 2018 CRÍTICASNOS CINEMAS Na cidade de Istambul, Ceyda Torun filma os gatos embelezam a paisagem da cidade. Felinos e humanos coabitam e mostram como ambos partilham sentimentos comuns e como os gatos se tornam uma espécie de presença divina para os habitantes da cidade. O primeiro felino retratado no filme é uma gata que deambula pelas ruas da cidade em busca de alguns alimentos para as suas crias. As pessoas com quem se cruza olham para ela como um ser maternal, como alguém que tem a extrema urgência de cuidar. Não existe aquele olhar comum da nossa sociedade, em que a reprodução do gato é um flagelo que deve ser controlado através da esterilização. O gato é um ser que, tal como nós, pretende cumprir a sua essência de ser gato. E é aqui que os felinos nos podem fascinar como nenhum outro ser vivo que habite o nosso planeta. O gato precisa de muito pouco para ser aquilo que é. O filme retrata também o seu charme inigualável que está presente na plena elegância dos seus movimentos. A certa altura, alguém se refere a eles como seres vindos de outro planeta, por reconhecer essa sua forma estética de existir, onde o estilo se mantém vivo e a liberdade transborda em cada passo. Para além do gesto de cuidar que partilham com os humanos, eles ensinam-nos a olhar para vida com uma indiferença digna do descanso de um guerreiro. É esta força insondável que eles possuem que vemos em cada um dos felinos que a realizadora filmou. Os gatos, em Istambul, não são animais abandonados, pelo contrário, são eles que conseguem curar os humanos, através de um companheirismo puro. O gato passa a ser um elemento precioso na vida daqueles habitantes, uma espécie de psicólogo inesperado, que nada diz, e que nada quer ouvir para diagnosticar um problema ou iniciar uma terapia. A presença do gato é já a terapia. A tarefa de Ceyda Torun em tentar retratar um ser tão incrível é quase tão difícil como trepar um muro de três metros, saltá-lo, cair de pé e continuar a caminhar. Contudo, o documentário consegue passar alguma da absoluta beleza que um gato espalha; mas sobretudo, consegue mostrar uma verdadeira comunhão entre homem e animal, onde ambos se espelham mutuamente naquilo que há de mais vital, cumprirem-se.

    7.0 7.0