É Feliz o Homem Que é Alto?
É Feliz o Homem Que é Alto?

É Feliz o Homem Que é Alto?

Is The Man Who Is Tall Happy?

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português

realização

Michel Gondry

Nacionalidade

França

Ano de produção

2014

Estreia no cinema

11-12-2014

Sobre o filme

Nascido em Filadélfia (EUA) em 1928, Noam Chomsky é um dos mais respeitados pensadores da actualidade. Linguista, filósofo, activista de esquerda e crítico do capitalismo é, há várias décadas, professor de Linguística no conceituado Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Para além de ter criado o conceito de gramática ge(ne)rativa transformacional (que se foca nos aspecto criativos da faculdade da linguagem, numa abordagem revolucionária para os estudos no domínio da linguística teórica), é também o autor de trabalhos fundamentais sobre as propriedades matemáticas das linguagens. Com o documentário animado "É Feliz o Homem Que É Alto?", o francês Michel Gondry ("Por Favor Rebobine", "O Despertar da Mente", "A Ciência dos Sonhos") revela, numa entrevista privada, alguns dos seus pensamentos e convicções mais profundos.

Realização e elenco

Títulos parecidos

Como avalias este filme?

No comments

9.0

"Yet that’s exactly the key to its appeal: The centerpiece of “Is the Man Who Is Tall Happy?” is as much Gondry as Chomsky; the contrast between them wryly juxtaposes measured and chaotic introspection. By extension, its real topic is the elusive nature of all thought processes, and it effectively shares the dual speakers’ collective journey without revealing any tangible destination. The movie ends, but the discussion resonates indefinitely."

Eric Kohn de Indiewire

6.0

"The contrast between the film’s rollicking conversational style and its gruelling stylistic approach is the creative spark that lifts Is The Man Who Is Tall Happy? into the realm of Gondry’s best work. Any motion picture with even a hint of structural invention to it will inevitably be likened to jazz, but here’s a film whose dichotomous blend of spontaneity and precision actually justifies the comparison."

Charlie Lyne de The Guardian

6.0

"But the bulk of the film is devoted to giving Chomsky space to explain his theories to a non-academic audience. It might be possible to see Gondry's broken-English stumblings and random-association images as complementing Chomsky's descriptions of generative grammar, but I'm not sure this is entirely the case; in the nicest possible way, this is teacher-and-pupil stuff."

Andrew pulver de The Guardian

4.0

"O efeito da bricolage visual, marca registada do cinema de Gondry, assemelha-se a entrar na cabeça de Chomsky e tentar acompanhar a velocidade do que se passa lá por dentro – e o que à partida seria o grande trunfo do filme acaba por tornar-se rapidamente no seu maior problema. Em vez de a imagem complementar a conversa, o trabalho visual acaba por distrair do intrincado pensamento de Chomsky, criando um filme cujas duas pistas só muito pontualmente se cruzam como pretendido."

Jorge Mourinha de Ípsilon - Público