7,1

Deus Branco

· 116min.

Filme premonitório sobre as relações entre a espécie superior e o seu inferior caído em desgraça. Banido e traído, “o melhor amigo do homem” revolta-se contra o seu antigo mestre.
Indisponível no teu país

Sobre o filme

Uma nova lei dá preferência aos cães de raça e impõe um imposto considerável aos cães de raça cruzada. Rapidamente, os canis enchem-se de cães abandonados. Lili, uma rapariga de 13 anos, luta por proteger o seu cão Hagen, mas o pai de Lili abandona-o na rua. Hagen e a sua dona procuram-se um ao outro por todos os meios, até que um dia Lili desiste. Hagen por seu lado luta pela sobrevivência e revolta-se. Melhor Filme na secção Un Certain Regard do Festival de Cannes em 2014, "Deus Branco" é um filme visionário e decididamente orwelliano, sobre uma espécie (supostamente) superior e os seus congéneres caídos em desgraça.

Realização e elenco

Realização:
Kórnel Mundruczó

Prémios e nomeações

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português
Áudio Original • Legendas Português

Mais informação

Título original:
Fehér Isten (White God)
Géneros:
Aventura, Drama
Nacionalidade:
Hungria
Estreia no cinema:
28-05-2015

Dentro dos cânones típicos do antropomorfismo (um macho-alfa conduzindo a matilha como um "partisan" um grupo de revoltosos e vingando-se de quase de todos), eis uma ideia que funciona contra os cães. E é pena. Porque, creio-o, não era essa a ideia. E nem sequer como metáfora política funciona.

(Editado)
9

"El Sr. Mundruczó se sirve de un estilo narrativo clásico para contar una historia como lo haría una bailarina de cabaret, desgranándola poco a poco."

Manohla Dargis de NY Times

9

"A veces dickensiana, marxista y antiutópica, esta película es tan deliciosamente inclasificable como centrada en su deseo de provocar y entretener."

Robert Abele de Los Angeles Times

9

"La sexta y mejor película de Kornel Mundruczo es una aventura de hombre vs. perro emocionalmente conmovedora y magistral desde el punto de vista técnico."

Guy Lodge de Variety

9

"Una impresionante alegoría de la intolerancia racial y étnica que empieza a funcionar mejor como película cuando los elementos directamente alegóricos retroceden en favor de un aire de película de terror inteligentemente misterioso y relevante."

Jessica Kiang de The Playlist