7,3

Belém

· 96min.

A história da relação complexa entre Razi, um agente dos Serviços Secretos Israelitas, e Sanfur, o seu informador palestiniano adolescente.
Indisponível no teu país

Sobre o filme

A história da relação complexa entre Razi, um agente dos Serviços Secretos Israelitas, e Sanfur, o seu informador palestiniano adolescente. Sanfur é o irmão mais novo de Ibrahim, um militante palestiniano altamente procurado. Razi, determinado a capturar ou assassinar Ibrahim recrutou Sanfur quando este tinha apenas 15 anos, investindo toda a sua energia no rapaz e desenvolvendo com ele uma relação muito íntima, quase paternal.

Realização e elenco

Realização:
Yuval Adler

Prémios e nomeações

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português
Áudio Original • Legendas Português

Mais informação

Título original:
Bethlehem
Géneros:
Drama, Thriller
Nacionalidade:
Israel
Estreia no cinema:
31-07-2014

Sem avaliações

7

"(...) A narrativa do filme em si foi construída de forma competente, oscilando entre o drama e o thriller de cortar a respiração, mantendo o nosso interesse sem dificuldade durante cerca de uma hora e meia. Há pormenores fascinantes na história e não há plot holes distrativos. A fotografia é discreta mas eficaz e os actores parecem profissionais, apesar de não o serem. Estas qualidades são merecedoras de enaltecimento, mas também evidenciam alguma falta de engenho por parte de Yuval Adler, que pareceu estar perto de elevar o filme a um nível de qualidade superior, sem o conseguir. (...)"

Aníbal Santiago de Rick's Cinema

6

"Belém, primeira obra do israelita Yuval Adler, assume desde o início a vocação de policial em modo “corrida contra o tempo”, sem por isso deixar de articular com eficácia os cambiantes morais inerentes ao conflito. (...)"

Jorge Mourinha de Ípsilon - Público

4

"(...) É possível argumentar , que sendo o filme Israelita, o ponto de vista é algo parcial. Sendo o agente ,um homem afetuoso e interessado em Sanfur, ainda que o utilizando para fins próprios, mas plenamente justificados por razões de segurança nacional. Contudo, outro ponto de vista pode ser aqui debatido, sendo possível ver em Razi , um manipulador da inocência árabe (aqui representada por Sanfur) e por isso também , merecedor de castigo. (...)"

Paulo Baía Mourinha de Rua de Baixo