A Morte de Estaline
A Morte de Estaline

A Morte de Estaline

The Death of Stalin

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português

realização

Armando Iannucci

Nacionalidades

Reino Unido, França, Canadá

Ano de produção

2017

Género

Comédia

Sobre o filme

O panorama político interno da Rússia Soviética assume um tom de comédia negra numa sátira sobre os dias que antecederam o funeral de Estaline e que viram os homens que o rodeavam em luta pela herança do seu poder supremo.

Prémios
O meu estado de espírito...

Realização e elenco

Foto de perfil por defeito de um utilizador que não fez login
Os comentários depreciativos e os spoilers serão moderados. Se tens alguma queixa escreve-nos para ola@filmin.pt
  • Peter Bradshaw

    de The Guardian

    Fear rises like gas from a corpse in Armando Iannucci’s brilliant horror-satire The Death Of Stalin. It’s a sulphurous black comedy about backstairs Kremlin intrigue following the death of Joseph Stalin in 1953 – adapted by Iannucci, David Schneider and Ian Martin from the French graphic novel series by Fabien Nury and Thierry Robin. Faced with the unthinkable demise of Stalin, so long revered as nothing less than a god, these Soviet dignitaries panic, plot and go in and out of denial: a bizarre, dysfunctional hokey cokey of the mind. Everyone is of course initially terrified of saying out loud that he is dead – a quasi-regicidal act, which could, in any case, turn out to be wrong and interpreted as traitorous wishful thinking. But dead he is, and Iannucci shows that it is like the casting, or lifting, of some witch’s spell. All these ageing courtiers and sycophants have suddenly been turned into a bunch of scared and malicious children.

    9.0 9.0
  • Jorge Mourinha

    de Ípsilon - Público

    Os mais atentos a estas coisas do humor saberão quem é Armando Iannucci, o argumentista e comediante escocês que assina este Morte de Estaline tão desopilante como inquietante: é o homem que ajudou a criar o pivot Alan Partridge com Steve Coogan, que está por trás desse Sim, Senhor Ministro moderno e cheio de profanidades que é a britcom The Thick of It (e respectiva versão cinematográfica, In the Loop) e da aclamada série da HBO Veep, com Julia Louis-Dreyfus. E o que Iannucci e a sua troupe fazem da BD de Fabien Nury sobre a batalha pela sucessão na URSS após a morte do camarada Estaline inscreve-se nessa linhagem da política como terreno fértil para o humor (negro neste caso, entre o screwball e a comédia de enganos, entre a farsa teatral e o absurdo Monty Pythonesco): a realidade é mais estranha do que a ficção, a comédia está paredes meias com a tragédia, contado ninguém acredita. E a política é muito menos uma estratégia a longo prazo do que a solução colada com cuspo para o inesperado em que ninguém pensou – no caso, a morte súbita do “pai dos povos” e o modo como imediatamente o núcleo duro se posiciona para aproveitar a situação ao máximo em seu favor (qual bem-estar do povo, qual carapuça, porque o poder não deixa ninguém imune).

    7.0 7.0