George A.  Romero
  1. George A. Romero

    Estados Unidos (1940 - 2017)

    1 título :separador disponível 12 prémios
    recebidos
Biografia

George Romero é um realizador, argumentista e produtor norte americano, conhecido como o grande percursor do género zombi e uma grande influência no cômputo do cinema de terror. Nascido em Nova Iorque, no mítico bairro do Bronx, era filho de pai cubano e mãe lituana. Quando criança tinha como hábito apanhar o transporte para Manhattan para alugar filmes que via em casa. Os seus preferidos eram os de Michael Powell e Emeric Pressburguer. Romero estudou na universidade Carnegie Mellon em Pittsburgh. Quando em 1960 terminou a sua formação, começou a sua carreira cinematográfica gravando curtas metragens e a trabalhando no programa de televisão Mister Rogers' Neighborhood. Também gravou anúncios para a The Latent Image, uma empresa que fundou em conjunto com John Russo e Russell Streiner, seus colegas de curso. Neste período, os jovens sócios fartaram-se de fazer anúncios e decidiram realizar um filme de terror. Romero baseou-se no romance de Richard Matheson, Eu Sou A Lenda (1954) para criar o seu primeiro filme de mortos-vivos.Juntamente com John Russo, Russel Steiner, Karl Hardman e Marilyn Eastman, fundou a produtora Tem Productions no final dos anos 60, reunindo aproximadamente 114 mil dólares para financiar A Noite Dos Mortos Vivos. O Filme, que escreveu em conjunto com John A. Russo, foi filmada a preto e branco utilizado uma película de 35 mm e estreou em 1968. A fita mostra como os mortos voltam à vida, sendo as suas principais características a violência e o canibalismo, característica presente nos restantes filmes da série. Ainda que a palavra Zombie não seja empregue em nenhum momento, muitos consideram que o filme é a base do subgénero, servido para mais como influência para vários outros filmes e jogos de vídeo. O filme arrecadou 12 milhões nos Estados Unidos e 30 milhões em todo o mundo. Em 2001 a American Film Institute incluíu-o numa lista dos 100 melhores thrillers da história, no número 93. Por seu lado a revista Time nomeou-o um dos 25 melhores filmes de terror da história. Os seguintes filmes realizados por Romero não foram muitos populares, There's Always Vanilla (1971), A Época das Bruxas (1972) e Guerra ao Vírus da Locura (1973). Ainda que não tenham igualado o êxito do primeiro filme, estas obras representavam uma crítica social, a Guerra ao Vírus da Loucura (1973) é tida como a mais similar ao A Noite dos Mortos Vivos (1968) por abordar a temática da arma biológica como causa de uma maior violência no comportamento humano. Em 1977 com o seu filme Martin, explora o universo dos vampiros, embora de uma perspetiva eminentemente psicológica. À semelhança de muitas das suas obras, este filme foi filmado em Pittsburgh. Em 1978, Romero regressa ao tema dos mortos-vivos com o filme O Amanhecer do Mortos. A história conta como um grupo de sobreviventes se refugia dos zombies num centro comercial. Tendo custado 1,5 milhões de dólares, o filme arrecadou cerca de 40 milhões em todo o mundo. O crítico de cinema Roger Ebert classificou-o como “um dos melhores filmes de terror jamais feitos”. Foi também classificada como o número 27 nos 50 melhores filmes de culto da revista Entertainment Weekly em Maio de 2003. No princípio da década de 80, Romero realizou Os Cavaleiros da Lenda (1981), um filme que mostra os protagonistas a realizar justas medievais nas suas motas e  Creepshow: Contos de Terror (1982), escrita por Stephen King e baseada na banda desenhada de terror dos anos 50. O filme era composto por várias curtas-metragens. Após o êxito do filme, Romero produziu uma série de televisão intitulada Tales from the Darkside (1984). Tal como Creepshow, a série era baseada em duas bandas desenhadas de terror, Tales from the Crypt e The Vault of Horror. Romero acrescentou ainda um terceiro filme à sua saga de mortos vivos que se intitulava O Dia dos Mortos e que estreou em 1985. No filme os sobreviventes refugiam-se numa estação militar subterrânea, e assiste-se a uma série de conflitos entre os protagonistas. Pode, para mais, observar-se uma evolução no comportamento dos mortos vivos, especialmente em Bub um zombi que foi estudado pelos cientistas da estação. Em 1987 trabalhou como guionista em Creepshow 2, que foi realizado por Michael Gornick. Posteriormente realizou Atracção Diabólica (1988), um filme baseado no romance homónimo de Michael Stewart. A história centra-se num tetraplégico que utiliza um macaco como ajudante até que este começa a revelar um comportamento estranho. Em 1990 reescreveu o guião original de A Noite dos Mortos Vivos e participou como produtor executivo no remake dirigido por Tom Savini. Savini já tinha trabalhado com Romero, como chefe da maquiagem e dos efeitos especiais em vários dos seus filmes. Uma das principais alterações na história foi a nova personalidade de Barbara, que passa a ser mais independente e forte.  Na mesma época Romero realizou Os Olhos do Diabo (1990) em conjunto com o italiano Darío Argento. O filme está dividido em duas secções baseadas em relatos do escritor Edgar Allan Poe. Romero esteve a cargo da adaptação de A verdade sobre o caso do senhor Valdemar, enquanto que Argento se encarregou de O Gato Negro.Em 1993 realiza A Face Oculta (1993), baseada no romance homónimo de Stephen King, o filme foi protagonizado por Timothy Hutton, Amy Madigan e Michael Rooker. Foi filmado nas cidades de Pittsburgh e Washington, no estado da Pensilvânia.Romero teve um período de inatividade de cerca de sete anos. Durante esse tempo escreveu guiões para estúdios como a MGM, a Universal e a 20th Century Fox, mas não realizou nenhum filme embora em 2000 se tenha envolvido com uma empresa francesa na realização do filme Bruiser, baseado no massacre de Columbine de 1999.Ainda que Romero pensasse realizar um novo filme de mortos vivos há já algum tempo, os atentados de 11 de Setembro de 2001 vieram atrasar esta pretensão. Finalmente em 2005 o realizador estreou um quarto filme, intitulado A Terra dos Mortos, protagonizada por Dennis Hopper, Asia Argento e John Leguizamo, entre outros. Teve um custo de 15 milhões de dólares, o mais caro de todos os filmes de Romero até ao momento. Apesar de uma boa receção por parte do público, Romero não gostou do resultado deste último filme pelo que decidiu fazer um outro, desta feita financiado de forma independente. O filme que se intitulou Diário dos Mortos estreou em 2008. O obra não segue a ordem cronológica dos filmes anteriores e é uma tentativa de iniciar uma nova franquia de mortos vivos. Segue a história de um grupo de estudantes que enquanto fazem um filme de terror na floresta descobrem que os mortos estão a recuperar a vida, e tentam registar o momento para garantir o sucesso do seu filme. Ainda que tenham surgido rumores de uma sequela desta obra, Romero desmentiu prontamente argumentando que para tal precisaria de utilizar os mesmos atores, coisa que nunca tinha feito antes. O filme mais recente de Romero, intitulado A Ilha dos Mortos, foi apresentado no dia 9 de Setembro de 2009 no Festival Internacional de Cinema de Veneza. A história narra a luta de duas famílias no meio de um mundo pós-apocalíptico onde os mortos regressaram à vida. A disputa baseia-se na maneira como os dois lados veem a disputa do planeta. O filme é protagonizado por Alan Van Sprang e Kenneth Welsh. Após a estreia da série de The Walking Dead, Romero recebeu ofertas dos produtores para realizar um episódio, mas Romero não aceitou. Nas suas palavras “Não aceitei porque aqueles zombies não me pertencem, não são ideia minha.”. Em Outubro de 2011 Romero revelou que estava a trabalhar numa adaptação do livro Zombie Autopsies de Steven Schlozman.Romero morreu a 17 de Julho de 2017.

Prémios do seus filmes