8,3

Noiva Prometida

· 87min.

Tel Aviv. A jovem Shira está prestes a casar com um rapaz de boas famílias. Mas a morte da irmã torna as atenções para a procura de uma noiva para o viúvo.
Indisponível no teu país

Sobre o filme

O primeiro filme da cineasta judia-ortodoxa Rama Burshtein. Evitando o maniqueísmo e esquecendo estereótipos, narra de uma forma peculiar uma das mais clássicas histórias de amor: a luta entre o próprio desejo e as imposições familiares. Este filme emocionante conta a história de uma família ortodoxa de Tel Aviv. A jovem Shira está prestes a casar com um rapaz de boas famílias. Mas pouco antes do casamento, Esther, a irmã mais velha, morre. Agora a preocupação da família é encontrar uma nova noiva para Yochay, o viúvo de Esther. Com medo de ver o genro e o neto deixar o país, a família de Shira prepara um outro plano: desfazer o casamento de Shira e obrigá-la a casar com Yochay.

Realização e elenco

Realização:
Rama Burshtein

Prémios e nomeações

Áudio e legendas

Versão original com legendas em português
Áudio Original • Legendas Português

Mais informação

Título original:
Fill the Void
Género:
Drama
Nacionalidade:
Israel
Estreia no cinema:
29-08-2013
9

"La película no se reduce a querer adentrarnos en el mundo ortodoxo, sino que, más bien, conoce la magnitud de su alcance, emplazando una historia universal, llena de emotividad, superficial desarrollo y profundo análisis post-visionado, en un entorno en el que seguramente no hubiésemos pensado, y, además, y complicando aun más la propuesta, manteniéndonos siempre considerando el punto de vista de la adolescente. "

Arantxa Acosta (Cine Divergente) de Web oficial

9

"Films tend to confirm, not confront, stereotypes. Not so Israeli director Rama Burshtein’s exquisitely acted, radiantly shot, and delicately nuanced “Fill the Void,” a melodrama set in the ultra-Orthodox Haredi Jewish community of Tel Aviv. By bringing to life complex and sympathetic characters in a precisely observed setting and social framework, and by presenting that isolated world as a microcosm, Burshtein has achieved a gripping film without victims or villains, an ambiguous tragedy drawing on universal themes of love and loss, self-sacrifice and self-preservation."

Peter Keough de Boston Globe