Isto Não é um Filme
Isto Não é um Filme
Isto Não é um Filme

Isto Não é um Filme

This is Not a Film

Áudio e legendas

Versão original com legendas

  • Áudio Persa
  • Legendas Português
realização

Jafar Panahi

Nacionalidade

Irão

Ano de produção

2011

Estreia no cinema

03-11-2011

Bilheteira

2.922,80 €

Espetadores

505

Sobre o filme

Reconhecido como um dos mais importantes realizadores da atualidade, Jafar Panahi - cujos filmes examinam de forma crítica a realidade social do Irão - foi preso em sua casa em março de 2010 e condenado a 6 anos de prisão em dezembro do mesmo ano. Foi ainda proibido de fazer filmes durante os próximos 20 anos. Em prisão domiciliária, Panahi decide “contar” um filme em vez de o “fazer”. O resultado é um filme espantoso e comovente sobre cinema, censura, e liberdade de expressão.

Prémios
O meu estado de espírito...

Realização e elenco

Títulos parecidos

Como avalias este filme?

O caso pessoal dele (uma daquelas injustiças inacreditáveis) e a forma como se desenvolve é muito humana. Achei cativante toda a primeira metade, onde também neste documentário se insere a obra do realizador e a sua visão pessoal como realizador de cinema, incluindo ele nos fazer ver um filme que não o pode fazer (mas vai descrevendo com muita especificidade). Vale bem a pena ver. Gostei!

7/10

02 Fevereiro 2018
9.0

"If this is not a film, it is, among other things, a statement of creative resistance in the face of tyranny and a document of intellectual freedom under political duress."

A.o Scott de NY Times

9.0

"This film is a samizdat cine-poem in defence of cinema and freedom: the only response is contempt for those government bullies and bureaucrats ranged against Jafar Panahi."

Peter Bradshaw de The Guardian

9.0

"Esto no es una película tiene algo de comedia negrísima, donde una inteligencia amordazada encuentra las argucias lógicas que le permiten librarse de la fatalidad y seguir creando sin que, oficialmente, lo esté haciendo: Panahi ofrece una auténtica lección magistral —sus reflexiones sobre el papel del actor y el escenario, sobre la necesidad de hacer (y no contar el) cine— y culmina su jugada con un implacable clímax de suspense paranoico, ejecutado con sabiduría narrativa y precisión en el control de la puesta en escena. El título no miente (del todo): esto es mucho más que una película."

Jordi Costa de El País

9.0

"Panahi deja de hacer cine para constituir una energía, su propia e idéntica circunstancia, una obra o, si se quiere, una acción política; una acción política que se reconstruye en cada festival en que es proyectada, en el sentido en que es “lanzada, dirigida hacia adelante o a la distancia” o “ideada, trazada o propuesta como plan con los medios para la ejecución de algo”. Y los que somos convocados en una sala a participar en esa acción lo que hacemos es precisamente “reunirnos, conspirar y realizar propaganda contra el régimen de Irán”."

José Ramón Otero de Transit